“Caroneiros” de aranhas

Algas, cracas e outros animais podem acompanhar os artrópodes, mas esses companheiros apegados podem dar muito mais trabalho do que deveriam.

No oceano, uma grande variedade de “caroneiros” se prendem em outros animais. Cracas estão entre as mais proeminentes, mas, na verdade, existem centenas de criaturas que seguem essa estratégia de vida. Geralmente, esses aproveitadores – que podem ser vistos cobrindo de tudo, de baleias e tartarugas marinhas a caranguejos-ferradura – são considerados inofensivos e até mesmo benéficos em alguns casos.

Mas e se eles se tornarem um verdadeiro incômodo?

As aranhas-do-mar, um enigmático grupo de criaturas encontradas em todo o mundo, não estão imunes a essas caronas. Novas pesquisas mostram que organismos incrustados ou protuberantes em sua superfície podem afetar seus movimentos e interferir em sua respiração – já que elas não possuem pulmões ou brânquias e absorvem oxigênio através de seu exoesqueleto.

O artigo, publicado na revista Marine Biology, descobriu que caronas maiores, como cracas, na verdade aumentam a dificuldade de andar das aranhas-do-mar Antártico em duas a três vezes, o que demanda mais energia. A área de superfície aumentada também cria um efeito de “guarda-chuva de Mary Poppins”, em que as aranhas são mais propensas a serem varridas por correntes oceânicas.

Organismos incrustantes, como algas e briozoários, também conhecidos como musgos, tiveram uma redução da respiração local em até 50%. No entanto, a cobertura total na maioria das aranhas-do-mar não foi suficiente para afetar substancialmente a respiração geral.

Uma das maiores espécies de aranhas-do-mar da Antártida (Colossendeis australis) tem manchas incrustantes de briozoários brancos, também conhecidos como musgos, crescendo em suas pernas e partes bucais – esta é maior do que um prato com uma perna de 30 cm. Também vemos dois apêndices especiais, chamados ovigiros, com ganchos nas pontas, que permitem que os machos carreguem os ovos e que ambos os sexos usam para cuidar de suas pernas.

O estudo, conduzido por uma equipe de cientistas liderada por Steven Lane, professor da Universidade Loyola de Maryland, analisou como os três tipos de aranhas-do-mar na Antártida se comportam com seus coabitantes.

Duas das espécies estudadas (Ammothea glacialis e Colossendeis megalonyx) variam de 17 a 30 centímetros de comprimento e se assemelham a aranhas de pernas longas e finas e corpos minúsculos. A outra espécie, Nymphon austral, têm cerca de dois centímetros de comprimento e uma estrutura mais volumosa.

Há mais de dois anos na Estação McMurdo, um centro de pesquisa americano que Lane compara a uma cidade universitária e de mineração combinada, os cientistas passaram dias mergulhando nas águas gélidas de McMurdo Sound, uma região biologicamente rica. Durante os dias de mergulho, Lane e sua equipe mergulharam por 30 a 40 minutos de cada vez. “O fator limitante foi o quão frio estava”, diz Lane. Os cientistas coletaram cerca de 200 aranhas marinhas das profundezas do mar até profundidades superiores a 100 pés.

Eles também gravaram imagens de vídeo de quantas vezes as aranhas-do-mar foram encontradas com organismos que crescem nelas e quão rápido as aranhas com e sem crescimento de organismos se afastavam das luzes brilhantes, um comportamento que pode minimizar sua exposição aos predadores.

De volta ao laboratório, os cientistas mediram pela primeira vez quanto oxigênio poderia passar de organismos incrustantes para a superfície do exoesqueleto usando um sensor de oxigênio em aranhas marinhas vivas. Em seguida, eles colocaram um sensor de oxigênio dentro dos segmentos da perna de aranha-do-mar para ver quanto mais oxigênio se difundia em seus corpos.

Para quantificar o arrasto causado pelos caronas, as aranhas foram jogadas em um pequeno tanque na frente das câmeras GoPro e sua velocidade de queda foi registrada. As mesmas foram lançadas novamente depois que as protuberâncias foram removidas.

O estudo sugere que as aranhas-do-mar-de-barquinha seriam limitadas a áreas com baixo fluxo para forragem e acasalamento, mas ainda não está claro o impacto que isso teria na ecologia antártica como um todo.

“Tenho certeza de que [os caroneiros] estão fazendo algo importante, mas não sabemos o suficiente sobre eles para ter certeza”, diz Lane.

Houve casos raros de peixes e caranguejos comendo aranhas-do-mar e, no campo, alguns peixes foram vistos pegando aranhas-do-mar, mas os pretensos predadores desistiram e as cuspiram.

Mas as aranhas marinhas masculinas, que surpreendentemente carregam os óvulos em apêndices especializados chamados ovigiros, são mais vulneráveis. Alguns tipos de camarão pegam os machos, os viram e comem os ovos, antes de deixar os adultos irem embora, diz Lane.

É desnecessário dizer que há muito mais a descobrir sobre as próprias aranhas-do-mar, especialmente em um lugar tão remoto quanto a Antártida. Incluindo como os humanos podem estar afetando essa espécie.

Uma vez que os polos estão se aquecendo e se acidificando mais rápido que o resto do mundo, as aranhas-do-mar e outras criaturas podem ser drasticamente afetadas. Por exemplo, a taxa de crescimento de algas e briozoários frequentemente aumenta com a temperatura, potencialmente gerando uma maior densidade de caronas indesejadas.

“As aranhas-do-mar existem há muito, muito tempo”, diz Lane, com os primeiros fósseis que datam de pelo menos 400 milhões de anos. “Acreditamos que essas espécies da Antártida serão as primeiras afetadas pela mudança climática porque vivem em ambientes tão frios há tanto tempo que, à medida que o oceano se aquece, não haverá lugar para elas”, diz Lane.

 

Fonte: National Geographic

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: