O dicionário de cores que Darwin usou para descrever a natureza

Darwin (Foto: Reprodução)

 

Hoje em dia todas as ferramentas de que precisamos estão nas palmas das nossas mãos. Se você se deparar com algo muito extraordinário no caminho para casa, é possível registrá-lo com um toque no seu celular. Mas nem sempre foi assim. Enquanto viajava a bordo do HMS Beagle, entre 1831 e 1836, Darwin não tinha um aparelho de última geração parcelado em mais vezes do que você gostaria de lembrar.

Para registrar todas as espécies que encontrava no caminho, o naturalista tinha que contar com a extrema precisão de suas descrições e desenhos, cujas cores poderiam desbotar com o tempo.

Foi pensando em manter um padrão entre essas cores e descrições que, em 1814, o pintor escocês Patrick Syme decidiu ilustrar o livro Nomenclatura das Cores de Werner (Smithsonian Books, 80 páginas, sem edição brasileira), escrito pelo geólogo alemão Abraham Gottlob Werner.

Tudo começou com o geólogo, que queria desenvolver um parâmetro para descrever a riqueza de tons encontrados em rochas e minerais. Syme, o artista escocês, ficou sabendo da publicação de Werner e sentiu que poderia melhorá-la ao adicionar amostras de tecido colorido junto à descrição de cada cor. O pintor não conseguiu arranjar referências para todos os matizes, mas ao menos 110 ganharam mais vida com essa padronagem.

Uma página do livro "Nomenclatura das Cores de Werner" (Foto: SMITHSONIAN BOOKS)
Uma das páginas do livro.

O livro começou a contar, então, com um nome para cada cor, um número para identificá-la, exemplos de onde ela poderia ser encontrada na natureza e uma amostra de como ela é. O laranja amarronzado, por exemplo, podia ser notado nos olhos das grandes moscas da carne, na elegância de um lírio laranja ou em um topázio escuro brasileiro.

Para além da mineralogia, o livro começou a ser usado em áreas como a zoologia, botânica, anatomia e artes. Tornou-se um sucesso entre naturalistas como Darwin, o botânico William Hooker e os exploradores Sir William Edward Parry e Sir John Richardson.

Neste ano, a editora norte-americana Smithsonian Books recriou a obra em impressão CMYK com o intuito de proporcionar ao leitor do século 21 uma oportunidade de conhecer a forma poética com a qual cientistas inovadores viam o mundo. Este é o resultado:

 

Capa da edição lançada pela Smithsonian Books (Foto: SMITHSONIAN BOOKS)
Fonte: Galileu
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: